sábado, 31 de outubro de 2009

Mantenha-se Firme

[ Titulo original do autor: Lágrimas pelo Evangelho ]
Quando os seus esforços para promover o perdão, a unidade, o cuidado, a reconciliação e o entendimento a partir do Evangelho não dão resultados... ame, acarinhe e ore mais em favor das pessoas embrutecidas pelas suas escolhas, seus pontos de vista, orgulhos e vaidades. Não fique abalado. Não ceda ao mal. Não se preste a abusar do poder. Mantenha-se fiel a Jesus Cristo e não a estes “cristinhos” canalhas, abusadores e ridículos, forjados por estas “igrejinhas” medíocres, sacrificialistas, punidoras, descomprometidas e distantes de Deus. Abra o seu coração ao Espírito Santo e Ele dar-lhe-á consolo, alegria e força. Guarde o seu coração no Senhor. Ele enxugará dos seus olhos toda a lágrima. Permaneça firme Naquele que é o Caminho, a Verdade e a Vida.
.
Graça, paz e bem!
.
Fonte: Ademir Antunes
.
.
Adaptado ao português usado em Portugal por Ab-Integro

Ateucracia e Heterofobia

A humanidade conviveu e tem convivido com regimes não-democráticos: monarquias absolutas, teocracias, ditaduras, aristocracias, oligarquias, que privilegiam famílias, etnias, religiões, partidos ou classes. Com a substituição do poder personalizado pelo poder institucionalizado. Surgiram os Estados Nacionais, as constituições e a democracia, como “o povo politicamente organizado”. Na maioria das vezes, o formalismo democrático e a liturgia das eleições apenas legitimam grupos, que controlam os aparelhos do Estado. Ao povo cabe apenas escolher periodicamente, entre os escolhidos, os seus senhores. Presencia-se no Ocidente, sob a fachada da democracia, uma nova autocracia: a dos ateus e agnósticos e materialistas secularistas -- netos do Iluminismo -- contra a maioria religiosa dos cidadãos. Essa ideologia aparece mais nítida com o término da Guerra Fria, e pretende confundir Estado laico com Estado secularista. Por Estado laico entende-se aquele legalmente separado das igrejas, sem religião oficial, com a igualdade perante a lei, que se constitui um avanço para a civilização, e que foi uma das bandeiras do protestantismo histórico no Brasil. O Estado secularista expressa uma ideologia militante de rejeição da religião, da sua negação como facto social, cultural e histórico, ou considerando-a intrinsecamente negativa. No passado, tivemos a influência da filosofia positivista que, com sua “lei dos três estados”, advogava a marcha inexorável da história de uma etapa religiosa inferior para uma etapa superior, pretensamente científica ou positiva. Essa filosofia marcou grande parte das ideologias contemporâneas, inclusive o marxismo, cujos regimes, oficialmente ateus, procuravam “colaborar” com esse processo histórico perseguindo implacavelmente a religião e tornando compulsivo o ensino do ateísmo. O que essa elite iluminada tem dificuldade em aceitar é o facto de que, no século 21, a religião, em vez de diminuir, está a aumentar, no que Giles Kepel denomina “a revanche de Deus”, e que dá o título do novo “best-seller” de John Micklethwait e Adrian Wooldridge, “Deus Está de Volta”. Há todo um malabarismo intelectual para “explicar” esta anomalia, e, por outro lado, procura-se promover um combate sistemático para a conter. O antireligiosismo teve como epicentro a Europa Ocidental, estendeu-se para a América do Norte, e espalha-se pela periferia do sistema mundial, chegando até nós. Há uma prioridade em se atacar as religiões monoteístas de revelação, porque julgam que o monoteísmo promove a intolerância e a revelação traz conceitos e preceitos autoritários retrógrados (o pecado, por exemplo) que se chocam com as visões tidas como superiores da autonomia das criaturas. Mais particularmente, esse ataque centra-se contra o cristianismo. A intolerância para com a religião implica impossibilitar a sua expressão nos espaços públicos ou que os seus seguidores ajam publicamente por motivações religiosas. A religião, para os seus adversários secularistas, deveria apenas ficar confinada às quatro paredes dos templos e dos lares, à subjectividade de cada um, condenada à irrelevância. Essa elite sente-se iluminada, superior, com o papel histórico de proteger as pessoas delas mesmas, de corrigir os seus “atrasos” e de “educar” a humanidade, seja pelo apropriação dos aparelhos ideológicos do Estado (educação, media), seja pelo uso do aparelho coercivo do Estado (leis, justiça, polícia). Na esteira desse movimento temos tido a chatice do “politicamente correto” (moralismo de esquerda), a luta por retirar símbolos religiosos dos espaços públicos, acabar com os dias santificados, proibir a saudação “Feliz Natal” (deve-se apenas desejar “Boas Festas”), e a defesa de bandeiras como a libertação sexual, o aborto (no lugar do direito à vida, o direito da mulher a dispor do “seu” corpo), a eutanásia e a licitude das “orientações sexuais” -- a chamada agenda GLSTB (gays, lésbicas, simpatizantes, transgéneros e bissexuais). Por sua mobilização política (e não por “descobertas científicas”) promoveu-se a retirada dessa anomalia do rol das enfermidades e dos ilícitos -- e se instituir o casamento homossexual -- e parte-se para proibir os que querem deixá-la, cassar o registo de psicoterapeutas, forçar a maioria a mudar os seus padrões morais e criminalizar os que não aderirem. Enquanto a Europa e a América do Norte já evidenciam um novo ciclo de perseguição religiosa, corre no Congresso Nacional [Brasil] um projecto de lei que faria com que o autor deste artigo fosse condenado a até cinco anos de prisão por escrevê-lo. Enquanto a minoria materialista tenta forçar uma ateucracia e a minoria homossexual tenta fomentar uma heterofobia -- ódio aos que insistem no seu direito de afirmar a normatividade da heterossexualidade, e de não aceitar a normalidade do homoerotismo -- eles recebem o apoio (cavalo de troia) de outra minoria: o liberalismo teológico. A nós, a maioria, cabe, democraticamente, o direito à resistência!
.
Robinson Cavalcanti
.
Via Revista Ultimato

UMA CONFISSÃO EM AUGSBURGO

Há dez anos, em 31 de Outubro de 1999, escrevíamos no extinto semanário aveirense Litoral, que a cidade alemã de Augsburgo assistiu a um acontecimento que poderia ter sido – na linha da definição de poética de Aristóteles contrária à história- outro muro derrubado na Alemanha. Uma alusão compreensível ao Muro de Berlim, derrubado em 1989, desta vez para falar de aproximações entre instituições católicas e protestantes. No dia preciso em que se comemorava mais um aniversário (31 de Outubro de 1517) da afixação histórica das 95 Teses de Lutero contra as indulgências, assistia-se a um acordo católico-luterano sobre a «Doutrina da Justificação por Graça e Fé». Discutida durante mais de três décadas, chegava ao ponto culminante essa declaração conjunta como um marco miliário – de acordo com a afimação do papa João Paulo II. «Na difícil estrada da recomposição da plena unidade entre cristãos». Aquela declaração, elaborada por comissões mistas internacionais luterano-católicas, firmava uma ideia comum sobre a Salvação, no que dizia -e diz- respeito às duas Igrejas cristãs. Não sei ainda na íntegra, passada uma década, os termos e o conteúdo desse acordo, tanto mais que o mesmo procurava superar questões não apenas de fé, mas jurídicas também de base confessional para as igrejas históricas luteranas, na Alemanha, que vêm desde o século XVI. Há precisamente dez anos, dizia-se que o evento «deixara a opinião pública indiferente.» E hoje, em 31 de Outubro de 2009? E no entanto, esse assunto foi considerado há quase quatrocentos e oitenta anos magno e de estado. Com efeito, a leitura da chamada Confissão de Augsburgo aconteceu a 25 de Junho de 1530, às 3 horas da tarde, e demorou cerca de duas horas. O artigo 4º da mesma, coisa crucial para os luteranos, protestantes ou evangélicos, agora também se diz evangelicals (de Evangelicalismo), versava a doutrina incontornável da Justificação. De Justificatione, o que, como todos os cristãos devem saber, se baseia na verdade doutrinária que S. Paulo escreveu aos Romanos, segundo a qual «somos justificados gratuitamente pela redenção que existe em Cristo Jesus.» Se houve sempre este ponto de fé e de discórdia educada e civilizada entre nós, evangélicos e católicos, o mesmo continua bem vivo no Céu e de posse do Redentor. Não faz parte exclusiva dos cânones da Terra, diríamos, é determinação divina, não só no discurso sobre Deus que é a teologia, mas de Deus mesmo, que «a justificação do pecador só se faz pela fé, não através de obras e sacrifícios», segundo se afirma, e bem, naquela referida Confissão.
. João Tomaz Parreira

sexta-feira, 30 de outubro de 2009

Humor de 6ª - Crentes de Peso

Fotos Reveladoras - 6

( Clique na imagem para AUMENTAR )

Conversas com Lutero

Em menos de 90 anos (entre 1456 e 1543), foram feitas descobertas notáveis e surpreendentes que abriram novos horizontes e transformaram o mundo. O gráfico alemão João Gutemberg descobriu caracteres tipográficos móveis que deram origem à imprensa (1456). O navegador genovês Cristóvão Colombo descobriu o vasto continente americano, habitado de norte a sul e de leste a oeste (1492). O navegador e explorador português Vasco da Gama descobriu a tão desejada rota marítima para as Índias (1497). O militar e navegador português Pedro Álvares Cabral descobriu a parte mais meridional do continente encontrado menos de oito anos antes por Colombo (1500). E o astrónomo polaco Nicolau Copérnico descobriu que a Terra gira em torno do Sol, e não o contrário, como se pensava desde Ptolomeu, 1.400 anos antes (1543). No meio dessas descobertas, que mudaram de uma hora para outra concepções conservadoras e tímidas, há mais uma, a que causou impacto maior e mais prolongado, com repercussões que duram até hoje. Trata-se da descoberta, ou melhor, da redescoberta da Graça de Deus pelo monge alemão Martinho Lutero. Para redescobrir a Graça, o “javali da floresta”, como o chamou o papa Leão X, teve de fazer outras redescobertas, a princípio, desconcertantes e, mais tarde, alvissareiras. Lutero percebeu a miséria humana: “Nós somos mendigos, essa é a verdade”. Tal revolucionária e difícil redescoberta levou-o a outra: “Cheguei, de facto, à firme conclusão de que ninguém é capaz de justificar-se pelas suas obras [e] que é preciso recorrer à graça divina, que pode ser obtida por meio da fé em Jesus Cristo”. A partir dessas duas redescobertas preliminares, ele chegou logo à graça, que é o amor de Deus activo em benefício da salvação do homem. Depois da descoberta pessoal da Graça, Lutero viu-se na obrigação de a tornar conhecida dos outros miseráveis “mendigos”. Ele entendeu que a sua tarefa, a partir de então, seria trazer à luz o que estava e está encoberto e obscurecido: as boas notícias de que nos “nasceu um Salvador, que é Cristo, o Senhor” (Lc 2.11). É por isso que ele se apresentava como “Doutor Martinho Lutero, indigno evangelista de nosso Senhor Jesus”.
Ao contrário do que muitos ainda pensam, o alvo de Lutero era proclamar o evangelho, não reformar a Igreja. O resto todo, inclusive a Reforma, foi consequência. Os pesquisadores católicos Erwin Iserloh e Harding Meyer registam no livro «Lutero e Luteranismo Hoje»: “Em sua maneira aguda de falar, [Lutero] chega a expressar-se ocasionalmente assim: o facto de o papa viver em concubinato não tem importância; mas é insuportável que não pregue o evangelho, que até o escamoteie”. Outro reformador, Guilherme Farel, de Genebra, pensava como Lutero ao censurar o sacerdote católico “não pela sua má vida, mas pela sua má crença”. Para Lutero, “o evangelho é, e não pode ser outra coisa senão uma prédica de Cristo, filho de Deus e de Davi; verdadeiro Deus e [verdadeiro] homem, que superou, para nós, com a sua morte e ressurreição, o pecado, a morte e o inferno de todos os homens que nele crêem”.
O cristocentrismo de Lutero — expresso nas famosas frases latinas solus Christus (só Cristo e nada mais), sola gratia (só a graça e nada mais) e sola fide (só a fé e nada mais) — é tal que ele insiste: “Somente Jesus, filho de Deus — repito, somente Jesus, filho de Deus — nos redimiu dos pecados”. Por causa dessa fantástica descoberta da Graça, Lutero é chamado de “pai na fé” na monografia, cheia de calor humano, preparada pelo historiador católico Peter Manns, publicada em 1982. Ou de “doutor comum”, como sugeriu, em 1970, o cardeal J. Willebrands, presidente do Secretariado para a Unidade dos Cristãos, por ocasião da quinta Assembléia da Federação Luterana Mundial, realizada em Evian, em 1970.
Apesar da extraordinária contribuição de Lutero, o “indigno evangelista” é muito pouco conhecido. A única coisa que todo o mundo sabe a seu respeito — a solene e corajosa afixação das 95 teses à porta da igreja de Wittenberg em 31 de outubro de 1517 — de facto não aconteceu, segundo pesquisas confiáveis e recentes, iniciadas por um historiador católico. Nesse dia muito querido pelos protestantes, a ponto de ser chamado “Dia da Reforma”, Lutero apenas enviou as teses ao seu bispo diocesano Jerónimo Schulz, de Brandemburgo. Os Protestantes sentem-se na obrigação de admirar aquele que reformou a Igreja. Os Católicos romanos sentem-se na obrigação de questionar aquele que provocou o segundo Grande Cisma da Igreja. Mas a maioria destes grupos desconhece a vida e a obra de Martinho Lutero, nascido e morto em Eisleben, na Alemanha. Para uns, Lutero é mesmo o “javali da floresta” que devasta a vinha do Senhor (Sl 80.13); para outros, é o herói que enfrentou o todo poderoso papa Leão X.
Porque ainda existe a tentação de deixarmos Jesus Cristo de fora da Igreja, das homilias, das teses, dos livros, da televisão, da internet e da história (e essa tentação não deixará de acontecer nos séculos vindouros), precisamos ressuscitar a ênfase cristocêntrica de Lutero, expressa magistralmente na 62a tese: O verdadeiro tesouro da Igreja é o santíssimo evangelho da glória e da graça de Deus. Esse seria o laço de aproximação mais razoável, necessário e urgente, e o único que evitaria o vexame pelo qual passou o pastor da Igreja em Laodicéia, que se dizia cristã sem a efectiva presença de Cristo (Ap 3.20).
O pastor luterano brasileiro Walter Altmann diz, no seu livro «Lutero e Libertação», que “Lutero ainda continua muito vivo e presente”. É verdade, pois das pregações de Lutero em Wittenberg e outras cidades, o fabuloso número de 2.082 chegaram até nós. Some-se a isso cerca de 750 escritos da sua autoria, que estão sendo traduzidos para o português e publicados no Brasil pela Comissão Interluterana de Literatura (já foram publicados nove dos quinze volumes previstos). A cada ano surgem mais de mil títulos sobre Lutero, sem contar os textos em livros escolares e os verbetes não assinados em diccionários. De tempos em tempos, reúne-se num lugar do mundo o Congresso Internacional de Pesquisa sobre Lutero, cada vez com número maior de participantes. Não é de surpreender o crescente e positivo envolvimento de pesquisadores, historiadores e teólogos católicos, como Joseph Lortz, Erwin Iserloh, Yves Congar e Hans Küng. Lortz faz um apelo muito oportuno: “[Somos chamados] a trazer para a Igreja Católica as riquezas de Lutero”. Se as “riquezas de Lutero” são a sua contribuição para a cristologia e o cristocentrismo, a obrigação de reviver o “javali da floresta” é não só de católicos romanos, mas de toda a cristandade, incluindo os cristãos orientais e os protestantes.
Sabe-se que até há bem pouco tempo, só a menção do nome de Lutero, no meio católico romano, causava arrepios, até certo ponto compreensíveis, pois tudo o que se sabia dele era baseado no livro Commentaria de Actis et Scripts Martini Lutheri (Comentário Acerca dos Actos e dos Escritos de Martinho Lutero), escrito em 1549, três anos depois da morte de Lutero, por João Debeneck Cochlaeus, sacerdote e humanista, e cónego da Catedral de Breslau. Para Cochlaeus, Lutero era a encarnação do demónio (veja no apêndice “O Filho do Diabo”, p. 265). Conversas com Lutero é uma sincera contribuição e um esforço mais sincero ainda para encorajar os “mendigos” de hoje a descobrirem ou redescobrirem a Graça de Deus!

"Viva sem Medo de ser Feliz"

“O medo é um gigante que se nutre da carência”
(Emilio Mira y López)
.
Alguém rabiscou num muro: “Viva sem medo de ser feliz”. Porque alguém teria medo da felicidade? Na verdade, o que a frase evoca não é a felicidade – ela é o fim a alcançar – mas o caminho, a construção, a via até ela. Poucos sentimentos são tão avassaladores quanto esse fantasma chamado medo. Ele vampiriza sonhos, é capaz de infectar com a suspeita os mais belos projetos existenciais. Decreta o fim das tentativas.Há gente que nem consegue mais viver. O medo da vida ficou tão monstruoso que fez da casa, um cárcere. Gente isolada de todos, vivendo uma existência dolorosa, uma desrealização humana. Gente que se contenta em ver a vida através do cinza dos vidros. Das janelas fechadas, do carro blindado, da fuga pela televisão, onde a vida não sai da tela, não tem expressão real. Gente com medo de ser.Não se iluda. Não é fácil encarar o medo. Se você grita, ele grita de volta. Produz ecos de um caos que nos habita. O medo conhece como ninguém os meandros de nossa intimidade fragilizada. Mas, há uma chance. Não é fácil, mas é perfeitamente possível! Encarar o medo implica em subjugá-lo. Espancá-lo. Domesticá-lo. Você não vai destruí-lo completamente, não, ele é indestrutível, mas, saiba, você pode domá-lo. É possível mantê-lo amordaçado.Quando temos coragem de afirmar: “Eu tenho medo”, ele começa a ceder. Ele é “o gigante que se nutre da carência”, portanto, a consciência de sua utilidade (como mecanismo de defesa, é muito bem-vindo), é capaz de derrubar seus castelos de poder, acabar com o reinado de seu orgulho. O medo tem medo de não assustar!Proponho uma troca: trocar os arrepios, a face paralisada, as mãos trêmulas, a voz vacilante, a sensação de desmaio por uma determinação em vencer, uma consciência de poder, uma certeza: tenho medo, mas ele não tem a mim! Quando essa troca acontecer, seremos dignos de viver como heróis da disposição, da coragem, da garra, da destreza, da competência, da vida. Heróis de uma humanidade que ousa.Antes das águias aprenderem a voar, são empurradas de seus ninhos. Como os ninhos ficam em montanhas muito altas, o prazer de experimentar o poder das asas só vem com o medo da queda. Quer voar? Assuma o medo da queda. Tenha a consciência de que lá embaixo estará o duro chão. Mas, quando pousar, sentirá o indescritível prazer de zombar do medo que não te deixava usufruir do poder de suas asas magníficas.Não posso te dizer para não ter medo, mas posso dizer: “Não deixe o medo te dominar”. Não se isole da vida, não faça de sua casa uma masmorra, de seu carro um casulo que impede a entrada do amor, não se destrua numa caverna psicológica onde, supostamente, o medo não te alcance. Não perca o prazer de voar só porque o chão existe. “Viva sem medo de ser feliz”. Acredite, o medo não possui o dom da eternidade. Ele também é perecível, também tem data de validade. Alguém escreveu num muro em Osasco, São Paulo: “Descubra quem você é, e seja de propósito!”

A Explosão de uma Velha Estrela

( Imagem Jornal Diário de Notícias )

Um grupo internacional de astrofísicos detectou um corpo celeste que é o mais distante e antigo registado até agora, e confirmou que as estrelas já existiam quando o universo tinha apenas 600 milhões de anos. Estas são algumas das conclusões de dois estudos publicados na revista científica Nature e assinados, entre outros, por Javier Gorosabel e Alberto Castro-Tirado, do Conselho Superior de Investigações Científicas de Espanha, e Alberto Fernández Soto, do Instituto de Física da região de Cantábria. Os artigos analisam a explosão de raios gama registada a 23 de Abril, que foi a mais distante observada até agora e corresponde à explosão da estrela mais antiga e longínqua que se conhece, uma gigante que se apagou há 13 mil milhões de anos e cujo último esplendor chegou à Terra há apenas seis meses. As explosões de raios gama são dos fenómenos que mais energia libertam no universo, correspondendo à explosão de uma estrela gigante no final da sua vida, que assim esgota o seu combustível e se extingue, dando lugar a um buraco negro ou a uma estrela de neutrões. Segundo o cientista Castro-Tirado, as descobertas são importantes porque, por detrás da estrela, "supostamente tem de haver uma galáxia, embora seja tão fraca que, com a tecnologia actual, não se consegue observar", sendo, talvez, apenas perceptível com o sucessor do telescópio espacial Hubble. Javier Gorosabel revelou, por seu turno, que a luz da estrela que se finou viajou pelo espaço desde um tempo em que ainda não existiam nem o Sol, nem a Terra. Alberto Fernández Soto complementou que, com isto, se comprova que há 13 mil milhões de anos já existiam estrelas, algo que até agora não passava de uma hipótese, e se conclui que "a formação dos corpos celestes foi mais rápida do que se pensava". Os investigadores acreditam que as estrelas da primeira geração, designadas por "população III" e das quais não se conhecem exemplares, surgiram quando o universo tinha entre 200 e 400 milhões de anos. Para proceder a estas análises, os cientistas recorreram a dados obtidos por vários telescópios colocados em diversos pontos do mundo, entre os quais o da estação espanhola BOOTES-3, situado na Nova Zelândia, e o telescópio Nazionale Galileo, operado por italianos e localizado na ilha espanhola de La Palma.
In Diário de Notícias de 29 de Outubro de 2009

quinta-feira, 29 de outubro de 2009

Fotos Reveladoras - 5

( Clique na imagem para AUMENTAR )

Desassossego de Segunda-Feira

Tenho tudo para viver uma vida minimamente despreocupada. Vivo como um legítimo burguês, migrante nordestino relativamente bem sucedido na cidade grande. Adquiri hábitos de classe média. Sou bi-língue. Escrevi e publiquei alguns livros, comunico-me em uma rádio para milhares de pessoas. Estou na internet. Gosto de vinho tinto seco, de Bach, de poesia latino-americana, de colóquios filosóficos. Eu não deveria ter desassossego algum; não se permite a uma personagem admitir inquietações existenciais. Espera-se que um homem semi-público mantenha-se otimista, transbordante de esperança; principalmente, líder de uma igreja. Dúvidas doutrinárias? Em hipótese alguma. Os crentes são inamovíveis e, bem alicerçados em textos bíblicos, não entristecem jamais! Por que eu, então, pastor de uma comunidade de probos cristãos, começo a segunda-feira com esse enfarto emocional? Que colesterol entupiu as veias da minha alma para me deixar assim, sem fôlego? À semelhança de Fernando Pessoa noto que “meu passado foi só a vida mentida/de um futuro Imaginado!”. A eterna competição, que me empurrava para frente, transformou-me no guerreiro que nunca desejei. As guaritas, as rondas noturnas, a constante prontidão militar, deram-me desprezo pela guerra. Odeio arenas, ringues, dos peões ao rei do xadrez, carteados, ping-pong. Trato o imperativo de vencer como um vampiro, que suga meu sangue venoso. Jogo a toalha, simplesmente. Desisto de dar certo ou estar certo. Já não me importo em ser desmentido, não faço questão que chancelaria alguma me aprove e aponte o polegar para cima. Abatido, perco o medo de despencar. Disforme como um poliedro mal arquitetado desço a ladeira dos anos, aos solavancos. Palcos bem iluminados não me seduzem. Indiferente aos reclames tradicionais, desprezo os paradigmas canônicos. Quero ficar só. Em minha tristeza, lacro os cadeados do espírito. Amanheço da madrugada escura sem rasgos onipotentes. Não tenho raiva da insónia. Transformo minha prece em solilóquio. Recuso a visita do sol. Desligo todas as tomadas do quarto; não quero conselho. Penduro a placa de “não perturbe” no trinco da porta. Parto para correr sozinho, enquanto duplico os quilómetros. E se alguém vier com platitude, peço deseducado: Por favor, me deixe em paz.
Soli Deo Gloria

Aderi à Teologia da Restituição

Demorei... Relutei por anos e até falei mal, mas finalmente a luz me atingiu e atravessou meu peito como flecha. Hoje quero que todo mundo fique sabendo, homens, anjos e potestades, que abraçei a teologia da restituição.Sim, amigos, por mais estranho que pareça, existe sim, a teologia da restituição, e, pela Graça de Deus, fui conduzido a ela hoje pela manhã. Olhei para o meu passado, para os dias em que os campos de minha vida foram devorados e chorei diante da desolação. Vi que não só meus campos foram dizimados, mas também os campos dos que estavam sob minha responsabilidade.Tudo aconteceu assim: nos dias em que um verme como eu levantou a voz ao Altíssimo e quis romper Seus laços de amor e sacudir Suas algemas de Graça ( Sl 2:3), sim, foi nesses dias que o céu claro e azul de repente enegreceu com o mais terrível e numeroso exército de gafanhotos chamados: meus pecados.Hoje quero restituição!Por isso fui até o Senhor meu Deus e Lhe disse: " Pai de amor, restitui para Ti mesmo toda a glória que minha vida deixou de Te dar em tempos passados! Amorosa foi a Tua disciplina para comigo, e eu mesmo me danei fugindo de Tua santa presença. Mas quem pode restituir a glória de Ti roubada? Pai Santo, se um dia pra Ti é como mil anos e mil anos como um dia, toma de volta o que Teu e faze que nos dias que me restam toda a Tua glória seja reivindicada de minha vida pobre!"E viva a Teologia da Restituição! Eu quero de volta o que é Teu!

40 anos de Internet

Em plena Guerra Fria, os EUA lançaram um programa militar chamado ARPA, que viria a dar origem à ARPANET, a rede precursora da Internet. A 29 de Outubro de 1969, a ARPANET conseguiu a primeira ligação entre computadores. Nas quatro décadas que se seguiram, a tecnologia passou do ambiente militar para o meio académico, e dos EUA para o resto do globo. Em quatro décadas, a Internet mudou o mundo.
.
In jornal Público de 29 de Outubro de 2009

O Valor da Palavra

[ Titulo original : Você daria a vida por um amigo ? ]
Pítias, condenado à morte pelo tirano Dionísio, passava na prisão os seus últimos dias. Dizia não temer a morte, mas, como explicar que seus olhos se enchessem de lágrimas ao ver o caminho que se abria diante das grades da prisão? Sim, era a dura lembrança dos velhos pais! Era ele o arrimo e o consolo deles. Não mais suportando, um dia Pítias disse ao tirano:- Permita-me ir à casa abraçar meus pais e resolver meus negócios.Estarei de volta em quatro dias, sem acrescentar nem uma hora a mais.- Como posso acreditar na sua promessa? Os caminhos são desertos. O que você quer mesmo é fugir - respondeu Dionísio, irônica e zombateiramente.- Senhor, é preciso que eu vá. Meus pais estão velhinhos e só contam comigo para se defenderem - insistiu Pítias com o olhar nublado de lágrimas.Vendo que o tirano se mantinha irredutível, Damon, jovem e amigo de Pítias, interveio propondo:- Conceda a licença que meu amigo pede; conheço seus pais e sei que carecem da ajuda do filho. Deixe-o partir e garanto sua volta dentro dos dias previstos, sem faltar uma hora, para lhe entregar a cabeça.A resposta foi um não categórico. Compreendendo o sofrimento do amigo, Damon propôs ficar na prisão em lugar de Pítias e morreria no lugar dele se necessário fosse. O tirano, surpreendido, aceitou a proposta e depois de um prolongado abraço no amigo, Pítias partiu.O dia marcado para sua execução amanheceu ensolarado. As horas passavam céleres e a guarda já se mostrava inquieta. Entretanto, Damon procurava restabelecer a calma, garantindo que o amigo chegaria em tempo.Finalmente chegara a hora da execução. Os guardas tiraram os grilhões dos pés de Damon e o conduziram à praça, onde a multidão acompanhava em silêncio a cada um dos seus passos.Subiu, então, ao cadafalso. Uma estranha agitação levou a multidão a prorromper em gritos. Era Pítias que chegava exausto e quase sem fôlego. Porém, rompendo a multidão, galgou os degraus do cadafalso, onde, abraçando o amigo, entregou-se ao carrasco sem o menor pavor.Os soluços da multidão comovida chegaram aos ouvidos do tirano.Este, pondo-se de pé em sua tribuna, para melhor se convencer da cena que acabava de acontecer na praça, levantou as mãos e bradou com firmeza:- Parem imediatamente com a execução! Esses dois jovens são dignos do amor dos homens de bem, porque sabem o quanto custa a palavra. Eles provaram saber o quanto vale a honra e o bom nome!Descendo imediatamente daquela tribuna, dirigiu-se a Pítias e a Damon. Dionísio estava perplexo, e os abraçando comovidamente, lhes falou:- Eu daria tudo para ter amigos como vocês!

.

"Ninguém tem maior amor do que este, de dar alguém a própria vida pelos seus amigos" (Jo.15:13).
. "Nisto conhecemos o amor: que Cristo deu a sua vida por nós. E devemos dar a nossa vida pelos irmãos" (I Jo.3:16).

Desprezo pela Leitura faz Mal

O que tem prejudicado a sua vida no passado e, lamento dizer, até hoje, é a sua negligência quanto à leitura. Negligência tal que, por sua vez, chega a prejudicar até o próprio desejo de ler. Dificilmente me recordo de um pregador que leia tão pouco. Eis a razão porque seu talento em pregar não aumenta. Você continua pregando como pregava há sete anos; com emoção, porém sem profundidade.Falta variedade e conteúdo.A leitura poderá preencher estas lacunas com meditação e oração diária. Você prejudica a si mesmo em omitir tal prática.Desprezo à leitura impede alguém de ser um pregador maduro. Até para ser um cristão íntegro é mister a leitura adequada. Queira Deus que começasse logo!Separe uma parte do dia para este exercício. Assim adquirirá o sabor por aquilo que faltava; o que parece monótono no início se tornará com o tempo um prazer.Com ou sem disposição leia e ore diariamente. É para a sua própria vida; não existe outro caminho. Faltando isso será para sempre um pregador superficial.
John Wesley em 17 de agosto de 1760 em carta a John Trembath

quarta-feira, 28 de outubro de 2009

Fotos Reveladoras - 4

( Clique na imagem para AUMENTAR )

Portugal Vende 100 mil Bíblias por Ano

Biblistas de todo o mundo iniciam hoje em Vilamoura uma reunião de três dias para debater estratégias para uma "mais ampla, eficaz e relevante distribuição da Bíblia e ajudar as pessoas a interagir com a Palavra de Deus". A reunião da Direcção Global das Sociedades Bíblicas Unidas (SBU), a maior organização mundial dedicada exclusivamente à divulgação do livro sagrado para cristãos e judeus (para estes apenas o Antigo Testamento), é a última antes da Assembleia Mundial, prevista para Setembro do próximo ano, em Seul. "É uma reunião em que, entre vários assuntos, se vão discutir novos modos de acção e eventualmente uma nova estrutura, além da afectação de verbas do orçamento comum para ajudar as Sociedades Bíblicas mais necessitadas", disse à Lusa Timóteo Cavaco, secretário-geral da Sociedade Bíblica de Portugal.Na reunião do Algarve participam 25 elementos da direcção, entre os quais quatro representantes de cada uma das quatro áreas das SBU (Europa/MédioOriente, África, Américas e Ásia-Pacífico). As Sociedades Bíblicas Unidas, que englobam 145 sociedades nacionais, estão presentes em perto de 200 países e territórios do mundo há mais de200 anos e são responsáveis pela distribuição anual de 500 milhões de exemplares impressos da Bíblia. A organização é interconfessional, unindo especialistas católicos, protestantes e ortodoxos no objectivo de "tornar a Bíblia mais conhecida e relevante para os mais de seis mil milhões de habitantes do planeta". Cada Sociedade Bíblica nacional é uma entidade independente na sua actividade, gerando receitas próprias, surgindo as Sociedades Bíblicas Unidas como umafraternidade, apoiando as entidades nacionais com mais carências, explicou Timóteo Cavaco. "As Sociedades Bíblicas Unidas têm um orçamento de 50 milhões de dólares (33,5 milhões de euros) para ajudar as sociedades mais necessitadas, tipicamente as de África e da Europa de Leste. A afectação de verbas desse orçamento é uma das questões a debater nesta reunião de Vilamoura", acrescentou. Trata-se da primeira vez que a Direcção Global das Sociedades Bíblicas Unidas se reúne em Portugal, 200 anos depois da primeira iniciativa da Sociedade Bíblica Portuguesa. Em Portugal vendem-se anualmente cerca de cem mil exemplares impressos da Bíblia.
Fonte: Lusa

O que Amo na Igreja

[Titulo original do autor: Dez coisas que amo em você, igreja ]
.
1. AMO TUA VOCAÇÃO PROFÉTICA. Quando exerces teu papel profético de denunciar o mal e delatar a injustiça e quando desmascaras corajosamente o rosto imundo da corrupção e serves tu mesma de espelho, para o mundo ver Jesus refletido em teu semblante.
. 2. AMO TUA CORAGEM DESTEMIDA. Quando desfazes os altares da vaidade, desbancas os postes ídolos do abuso de poder, detonas os totens dos falsos profetas e pastores fingidos, esses que amam a popularidade, a fama e o dinheiro e arrastam milhares de incautos à decepção e à tristeza irreversíveis, até que tu venhas e a ser alento e ponto de apoio para voltarem a caminhar, Para depois correrem livres e voarem em direção a uma vida pujante de alegria e liberdade em Cristo, nunca dantes experimentada.
. 3. AMO TEU AMOR DESMEDIDO. Quando te identificas com as pessoas às quais tu proclamas a verdade do Evangelho, amando-as incondicionalmente, vendo sempre o bem no outro, e incluindo-o como teu semelhante e irmão de caminhada. Se acontecer algum processo de seleção no final, cabe a Deus fazê-lo, como prerrogativa exclusiva Dele.
. 4. AMO TEU TESTEMUNHO IMPOLUTO. Quando, em alguns pontos luminosos de tua história, e ainda hoje se vê rasgos nítidos de tua original missão de servir de ponte de retorno entre o mundo perdido e o seio do Pai, de ser farol de referência, lucidez e honradez aos que estão à deriva na correnteza do mar da corrupção, e ser rocha firme aos que afundam na areia movediça das certezas relativizadas.
. 5. AMO TUA HUMILDADE, À SEMELHANÇA DE TEU MESTRE. quando te conscientizas que teu lugar é servir no vale escuro da dor e da rejeição e não no topo do mundo, debaixo dos holofotes e flashes da fácil aceitação.
. 6. AMO QUANDO TE MOSTRAS MADURA EM TUA PROPOSTA DE SANTIDADE. Quando descobres que o caminho da maturidade rumo à santidade é o da experiência do andar vivencial com Jesus, e não a freqüência compulsória a um culto, e a liberdade consciente como a melhor forma de amadurecimento em direção ao céu.
. 7. AMO TUA ESTRATÉGIA INTELIGENTE DE CONQUISTAR O MUNDO. Quando adotas a teologia encarnacional da identificação participativa e te imiscuis no meio do mundo de forma sutil, subversiva, sem alarde e autopromoção, e através de recursos didáticos criativos se utilizando da cultura e das artes, consegues mudar os rumos da história.
. 8. AMO TUA OBJETIVIDADE FULMINANTE. Quando não fazes “cavalo de batalha” com coisas inúteis e irrelevantes para a vida como defender doutrinas humanas, dogmas e tradições de usos e costumes, e por outro lado, enfatizas o que é essencial para a vida aqui e o porvir, como incorporar o Evangelho Simples, amar a Jesus, vivenciar o amor entre os irmãos, reunir com os amigos para conversar, assistir o necessitado, abrigar o sem casa, dar alimento ao faminto e prover uma base sólida de educação aos que não teria nenhum futuro consistente e a chance de poder sobreviver nessa sociedade de lobos vorazes que dilaceram o ânimo doa fracos e despedaçam a esperança dos pequeninos. Mas aguarde com paciência o terrível julgamento que recaíra sobre sobre toda a alcatéia desses predadores insaciávais, por tocarem nesses amados pequeninos do Senhor...
. 9. AMO TEU SENSO AGUÇADO DE JUSTIÇA E MISERICÓRIDIA. Quando usas sabiamente a disciplina bíblica como elemento de cura e inclusão dos que entre ti fraquejam e tropeçam, levando-os invariavelmente ao retorno feliz, e curados, se levantam para ser referencial de vida a tantos outros que caem e tropeçam na caminhada.
. 10. AMO TUA MISSÃO BASEADA NA COMUNHÃO VIVENCIAL COM O MUNDO. Quando compreendes claramente que o “ide” não é um imperativo, mas “indo”, um gerúndio de convivência relacional no dia-a-dia, dando idéia de “enquanto vão, preguem”. Isso envolve a necessidade da saída do reduto quentinho e confortável do templo para a convivência despretensiosa lá fora, e sem segundas intenções, encontrar as pessoas em seus habitats, áreas de convivência, trabalho e lazer, e se tornando uma delas, fazer o Evangelho conhecido pelo servir sem nenhuma pretenção, a não ser aquela de gerar grandes amizades com os que compartilham conosco a mesma jornada de vida. Tal qual Jesus faria...
.
QUANDO AGES ASSIM, VIVES O QUE É SER IGREJA NO MUNDO E ENTENDES QUE SER IGREJA É MUITO MAIS DO QUE VEMOS POR AÍ... APESAR DE SER IMPRESSIONANTE O NÚMERO DOS QUE SE JACTAM PERTENCEREM AS TUAS FILEIRAS. NOTA: Quando me refiro à igreja na lista abaixo, estou pensando na igreja orgânica, invisível aos olhos humanos, aquela que só Deus conhece como Seu único e exclusivo remanescente fiel, a noiva de Cristo, composta dos filhos e súditos do Reino. É essa igreja que amo e sou membro. Que mais amo em ti?

'Flor de laranjeira" para Fazer Renascer o Lince em Portugal...

Chegou ontem a Portugal 'Azahar', primeira fêmea de lince-ibérico no País desde que esta espécie desapareceu nos anos 80. No centro da serra da Malcata está localizado um centro onde se espera que os animais se reproduzam, como aconteceu em Espanha. Pelo bem da biodiversidade e de uma espécie que é um símbolo da península e única em todo o mundo
. Foi um primeiro passo em solo nacional bastante nervoso. Ontem, mal se abriu a porta da jaula, Azahar desatou a correr e a saltar pelos 800 m2 que lhe foram destinados no Centro Nacional de Reprodução em Cativeiro para o Lince-Ibérico (CNRCLI), sem esconder a ansiedade e estranheza pelo espaço de 800 m2 que lhe foi dado. As crias de Azahar vão ser a nova esperança para o ressurgimento do lince-ibérico em Portugal, desde que esta espécie se extinguiu nos anos 80. A história desta "flor de laranjeira" (tradução portuguesa do nome árabe Azahar) começou em Janeiro de 2006 quando foi capturada na serra Morena, na Andaluzia. "Estava muito magra e tinha uma vértebra fracturada", conta Iñigo Sanchez, conservador do Zoobotânico. Foi tratada e escolhida para recuperar os linces-ibéricos em Portugal. Espera-se que consiga engravidar, pois até agora estava num meio urbano e stressante que se pensa que impediu a procriação. Os mais de 350 quilómetros que Azahar percorreu desde o Zoobotânico de Jerez de La Frontera (Espanha) até à Barragem de Odelouca (perto de São Bartolomeu de Messines) decorreram calmos e lentamente - para não assustar a lince e para permitir uma monitorização a cada 10 minutos - , com direito até a batedores da polícia. Portugueses e espanhóis levam "o passeio" muito a sério.[...]
Continuar a LER AQUI no jornal Diário de Notícias de 27 de Outubro de 2009

Uma Ovelha Pouco Perdida...

O Blogue pessoal do meu amigo, e pastor José Manuel Brissos Lino, "A Ovelha Perdida", atingiu a contagem de 200.000 acessos. É uma meta de respeito e a merecer atenção, por várias razões, de entre as quais aponto duas ou três. Em primeiro lugar, porque se trata de um Blogue de matriz cristã, e sublinhadamente cristã-evangélica, num país de esmagadora maioria dita católica e em que o censo dos cristãos-evangélicos apontará, eventualmente, para um numero redondo não longe dos 200.000. Depois, porque, para atingir este significativo número de acessos, é porque lhe é reconhecida uma manifesta qualidade, a vários níveis, pelas pessoas que diariamente o acessam, exploram e lêem, nacional e internacionalmente. Em terceiro lugar, porque a sua grande qualidade e equilíbrio intrínsecos lhe advêm, em minha opinião, precisamente da fé do seu autor, da sua inteligência, da sua preparação intelectual e espiritual e da sua postura perante as pessoas e os meios em que se integra e em que intervém, nomeadamente nos planos cívico, eclesial e social.
Ao "A Ovelha Perdida", endereço os meus parabéns e o desejo de que esta "ovelha" nos continue a levar até prados verdejantes onde nos possamos perder de contentamento.
Ao meu amigo José Manuel Brissos Lino, entrego o meu abraço pessoal e um muito obrigado por aceder a ser meu amigo há tantos anos. Identifico na sua forma de ser e estar cristã, integra e serena, a capacidade para resistir aos vendavais da vida e às tempestades espirituais que só identifico nos verdadeiros filhos de Deus.
Ao pastor Brissos Lino, votos de que a igreja do Jubileu, que pastoreia, continue a contar com ele como até hoje, para a abençoar, com a direcção de Deus no seu ministério.
Jacinto Lourenço
*
Por ocasião da passagem dos 200 mil acessos a este blogue, conseguimos uma entrevista, em rigoroso exclusivo, com a “Ovelha Perdida”. Ela própria. O resultado é um pouco surpreendente, para não dizer decepcionante. O entrevistador é anónimo.
.
Você é mesmo uma “ovelha perdida”?
.
Sim e não.
. Como assim?
.
Por vezes sinto-me perdida neste mundo tão superficial, idiota e malvado. Outras vezes acho que as pessoas andam todas a bater mal e que o mundo é um imenso manicómio. E quando penso assim acabo por ter compaixão delas, e volto a mordiscar umas ervas tenrinhas.E cá para nós, acabo por pensar que até eu tenho direito a uma pequena fatia dessa loucura.
.
Mas afinal sente-se perdida ou não?
.
Uma coisa é o que se sente e outra o que se é. Os psicóticos normalmente não se sentem loucos. Loucos são os outros. Mas devo dizer que não me sinto nada perdida porque conheço bem o meu Pastor.
. E…?
.
Sou uma ovelha crente. Creio em Deus e conheço-O, portanto nunca me poderia sentir perdida.
.
Nem mesmo quando passa – digamos – pelo vale da sombra da morte?
.
Especialmente aí nunca me sinto perdida, pois tenho a garantia de que o Bom Pastor está comigo.
. Então porquê esse nome?
.
Porque gosto muito da parábola assim chamada, a estória que Jesus Cristo contou para ilustrar a sua mensagem. Só o facto de pensar que, estando eu perdida do rebanho, o pastor deixaria as demais na segurança do redil e me iria procurar, me encontraria e traria aos ombros, faz-me quase sentir vontade de me perder… Sei que é disparate, mas…
. Talvez não esteja perdida, mas lá que é doida, é…
.
Não sei, mas também não me importo com isso. Sinto-me bem assim. Não se esqueça de que todas as ovelhas que fizeram alguma coisa de útil por este mundo foram assim rotuladas: loucas.[...]
Continuar a LER AQUI no "A Ovelha Perdida"

terça-feira, 27 de outubro de 2009

Fotos Reveladoras - 3

( Clique na imagem para AUMENTAR )

40 Anos de " e-mail "

A primeira mensagem de correio electrónico entre dois computadores (e-mail em rede) situados em locais distantes foi enviada em 29 de Outubro de 1969, quase dois meses depois do primeiro nó que deu origem à Internet.
.
O texto dessa primeira mensagem continha apenas duas letras e um ponto - "LO.". O investigador da Universidade da Califórnia em Los Angeles (UCLA) Leonard Kleinrock queria escrever "LOGIN", mas o sistema foi abaixo a meio da transmissão. A mensagem seguiu do computador do laboratório de Kleinrock na UCLA para o de Douglas Engelbart no Stanford Research Institute, utilizando como suporte a recém-criada rede da ARPA (Advanced Research Projects Agency), agência financiada pelo governo norte-americano. O primeiro nó de ligação entre dois computadores da Arpanet tinha sido estabelecido pouco tempo antes, em 02 de Setembro de 1969, pelo que a história da Internet e do e-mail em rede se confundem. [...]
Continuar a ler no jornal Diário de Notícias de 26 de Outubro de 2009

"Quando Desistirmos de Ser deuses Poderemos ser Humanos"

Rose Marie Muraro é uma mulher impossível. Com extrema limitação de vista e de saúde escreveu 35 livros e editou cerca de outros 1600. Foi pioneira do feminismo brasileiro. Seu estudo sobre a sexualidade da mulher brasileira, publicado pela Vozes de Petrópolis se transformou num clássico seja pela metodologia seja pelas categorias de análise. Formada em física, sempre se preocupou com a tecnologia e sua incidência no destino humano. Agora, no avançado dos anos e após muitas pesquisas e manejando mole imensa de fontes, informações e autores nos entrega um livro-síntese com o titulo Os avanços tecnológicos e o futuro da humanidade: querendo ser Deus? É uma publicação da Editora Vozes de Petrópolis da qual foi por 17 anos diretora editorial. O subtítulo ‘Querendo ser Deus?’ define a perspectiva de sua análise e ao mesmo tempo faz ecoar uma denúncia contra o tipo de ciência e de tecnologia dominantes na história. Na verdade, faz um soberano rastreamento histórico da tecnologia desde os alvores da humanidade quando há mais de dois milhões de anos surgiu o homo faber, aquele que, por primeiro, utilizou o instrumento para se impor à natureza, passando pelos vários períodos históricos com suas respectivas revoluções até chegar aos tempos contemporâneos da engenharia genética, da robótica, da nanotecnologia, da biologia sintética para culminar na fusão entre homem e máquina. O que Rose nos mostra, ao longo de seu livro, é o calvário da Terra e a lenta e progressiva crucificação da vida e da natureza através do poder da tecnociência, posta a serviço da vontade de poder na sua concretização mais crua e cruel no capital/dinheiro. Mas nem sempre foi assim. Primitivamente o saber e a técnica estavam a serviço da solidariedade e da partilha, atendendo as demandas humanas e aliviando o peso da vida. Mas do momento em que surgiu a moeda e ela se fez a mediação exclusiva para todas as trocas e se transformou ela mesma em mercadoria com preço (juros) se produz uma perversa revolução. Passa-se da cooperação para a competição, do cuidado para a agressividade. O que vige então é o ganha/perde e não o ganha/ganha. A sociedade é conflitiva com exércitos, muitas guerras e grandes mortandades. Os senhores do dinheiro sujeitam a si as pessoas, controlam a sociedade e decidem que saber e que técnica cabe desenvolver para reforçar seu poder. Não se produz para a vida mas para o mercado. Não se inventa para a sociedade mas para o lucro. O atual projeto da tecnociência acelerou enormemente a história. Em cem anos a humanidade caminhou mais do que nos dois milhões de anos anteriores. Esta velocidade estonteou a mente e está gerando uma verdadeira mutação humana, somente comparável àquela ocorrida na evolução biológica multimilenar. Cientistas projetam introduzir nanopartículas na corrente sanguínea do cérebro para gestar uma inteligência supra-humana. Emergiria assim um híbrido de ser humano e máquina, bifurcando a humanidade entre os melhorados e os não melhorados. É contra esse intento que se insurge Rose Marie Muraro, pois ele configura suprema arrogância e atualização da antiga tentação bíblica do sereis como Deus. O ser humano, por mais que queira, jamais superará os limites de sua natureza. Só uma ciência com consciência, servirá à vida e garantirá o futuro da Terra. A autora propugna por moedas complementares, por um consumo compassivo e reciclável, por uma revolução radical de dentro para fora e de baixo para cima, no jogo do ganha/ganha, como forma de sair com êxito do cipoal em que nos enredamos. A frase final de seu brilhante livro é esperançadora: “Quando desistirmos de ser deuses poderemos ser plenamente humanos, o que ainda não sabemos o que é mas que intuímos desde sempre”.
.
Leonardo Boff
( Teólogo, Filósofo e Escritor )
.
Fonte: ENVOLVERDE

Ainda ( muito ) a Propósito de Caim...

[ Titulo original do autor : Matriculados na Escola de Caim ]
.
"Ai deles! Entraram pelo caminho de Caim..."
(Judas 11a)

.

"O caminho de Caim" é a rota de colisão entre o homem e Deus, e entre o homem e seu semelhante. O Caminho ( que é Cristo! ) proposto pelo Evangelho é o do encontro, da reconciliação entre o Criador e a criatura, e entre o homem e seu próximo. Tanto a colisão quanto o encontro são frutos de uma convergência entre pontos. A diferença é que no encontro as partes se integram, se unem, e às vezes se fundem. Já a colisão tem efeitos colaterais devastadores. As partes se chocam, produzem atrito, e às vezes se esfacelam. O texto bíblico diz que Caim irou-se por achar que Deus não atentava para sua oferta, como para a oferta de seu irmão Abel. Esse descontentamento foi fruto da comparação. - Por que ele, e não eu? Toda inveja/ciúme é fruto da comparação. Quando nos comparamos uns com os outros, temos a tendência de achar que somos injustiçados, preteridos, e que, de alguma maneira, nossos direitos estão sendo lesados. Daí vem o senso de justiça própria. O invejoso é aquele que acusa Deus de agir com injustiça, por preferir uns, e preterir outros. Mas a Bíblia é clara ao dizer que para Deus não há acepção de pessoas. Abel não era o favorito de Deus, como insinuava Caim. Suas ofertas eram aceitas porque eram feitas com o coração puro, sem a pretensão de desbancar seu irmão. Já as ofertas de Caim tinham a marca da presunção. Infelizmente, muitos que se dizem cristãos parecem ter se matriculado na escola de Caim. Até testemunhos são dados com a intenção de demonstrar o quanto são importantes para Deus, em detrimento de seus irmãos. Acham que dar testemunho é contar vantagem, se cartar, instigando seus irmãos à inveja. - Vejam, vocês não têm a fé que eu tenho. Esse espírito de Caim tem sido estimulado até dentro dos lares, onde os filhos disputam a atenção e predileção dos pais. As Escrituras nos advertem a não sermos como Caim, "que era do maligno, e matou a seu irmão. E por que o matou? Porque as suas obras eram más e as de seu irmão, justas" (1 Jo. 3:12). A existência de Abel se tornou uma afronta para Caim. Por isso, ele não hesitou em matá-lo. Convidou-o para um passeio no campo, e quando seu irmão se distraiu, apunhalou-o pelas costas, cometendo o primeiro homicídio narrado pelas Escrituras. Talvez não tenhamos a coragem que ele teve de tirar a vida do próprio irmão. Mas se nutrimos um sentimento de ódio, alimentado pela inveja e pela justiça própria, aos olhos de Deus somos tão homicidas quanto Caim. "Todo que odeia a seu irmão é homicida..." (1 Jo.3:15a). E esse instinto homicida, uma vez nutrido, pode nos levar a matar nosso irmão, pelo simples fato de sua existência se nos tornar numa afronta. Há muitas formas de "matar" alguém. Podemos matá-lo à prestação, usando nossa língua como arma. Podemos matá-lo ao privá-lo de seus direitos. Podemos interditar seus sonhos, boicotá-lo com nossos comentários maldosos, ou simplesmente ignorá-lo. O Caminho de Caim é o caminho do ódio, do extermínio, que busca se auto-justificar alegando ser vítima de uma injustiça. Já o Caminho de Cristo é o caminho do amor, que em vez de tirar a vida, se oferece para dar a vida, sem qualquer pretensão de ser recompensado. "Nisto conhecemos o amor: que Cristo deu a sua vida por nós. E devemos dar a nossa vida pelos irmãos" (1 Jo.3:16). O amor faz cessar toda contenda, toda demanda, toda reivindicação. O foco deixa de ser nossos direitos, para ser o bem-estar de nosso semelhante.

segunda-feira, 26 de outubro de 2009

Fotos Reveladoras - 2

( Clique na imagem para AUMENTAR )

"Medir os Céus para dominar a Terra"

Astronomia. Exposição divulga ensino na Politécnica

.

O Museu de Ciência da Universidade de Lisboa recebe a partir de hoje [ 23 Outubro ]a exposição "Medir os céus para dominar a Terra - A Astronomia na Escola Politécnica de Lisboa (1837-1911)". Integrada nas comemorações do Ano Internacional da Astronomia, a iniciativa pretende divulgar o ensino da astronomia.
In Diário de Notícias de 23 de Outubro de 2009

Crime, Castigo e Ressurreição

Páginas e páginas da história estão abarrotadas de cadáveres. Milhões morreram devido a estupidez de reis, ditadores, sacerdotes e mercadores. Guerras foram justificadas por questões econômicas. Massacres aconteceram para defender patriotismos imbecis. Genocídios se repetiram para que determinada religião prevalecesse. Gerações se comportaram com menos dignidade que os lobos – que não são predadores da própria matilha. Em Crime e Castigo, Dostoiévski narra a vida de Raskólnikov, estudante desesperado pela miséria. Vendo-se explorado por Aliena Ivánovna, uma velha, usurária que sobrevive da agiotagem, Raskólnikov a assassina com golpes de machado. Para justificar seu homicídio, Raskólnikov, que era brilhante, engendra uma teoria: existem dois tipos de indivíduos, os “ordinários” e os “extraordinários”. Os “ordinários” são aqueles que se contentam em reproduzir, e caminham anônimos pela existência; eles fazem parte das massas, e vagam como manada. Já os “extraordinários” são os responsáveis pela história e sobre seus ombros recai o dever de conduzir os destinos da humanidade. Raskólnikov se inspirou em Napoleão antes de decidir matar. Ele se lembrou que o imperador verteu rios de sangue para solidificar a burguesia francesa que necessitava de uma estrutura bancária. Seu pensamento foi mais ou menos o seguinte: “Ora, se a história absolveu Napoleão, que matou milhões em nome de um projeto econômico, porque eu, Rodion Románovitch Raskólnikov, não posso acabar com uma decrépita, que repete na microestrutura o que o sistema bancário faz na macroestrutura?”. Neste pressuposto, Dostoiévski critica o projeto da modernidade. A modernidade, que transformou o século XX no mais sanguinário da história, se desenvolveu com a lógica sacrificial de que indivíduos podem ser descartados. Quem vai julgar a indústria do leite em pó, que promoveu um infanticídio na África ao incentivar o abandono do aleitamento materno? As grifes famosas, que exploram o trabalho escravo na Ásia para maximizar lucros, permanecerão impunes? Quem há de protestar contra o absurdo de uma xícara de café custar, na Europa, mais que um dia de trabalho em fazendas da América do Sul? George W. Bush vai mesmo desfrutar uma vida abastada e longa no Texas, sem sofrer nenhum processo em tribunais internacionais? Os “extraordinários” se sentem imunes e impunes. Em nome do processo civilizatório, do capitalismo que mantém a engrenagem econômica em movimento e do progresso, vidas são eliminadas, inclusive, com efeitos colaterais perversos. Danem-se os pobres, as crianças e os deficientes. “Algum preço tem que ser pago para que a humanidade progrida e alcance seu fim glorioso”, afirmam. Em cima de tal lógica, Raskólnikov jamais admitiu ter matado a velha. Para ele, um "princípio" foi eliminado. Aliena era um obstáculo, um “piolho”, que estorvava o seu caminho. Profeta adiante de sua época, Dostoiévski expôs a inclemência do capitalismo, que não tem escrúpulos de mercadejar com a alma humana. As grandes fortunas, os mega empreendimentos, as ideologias absolutas, junto com as religiões dogmáticas, não têm coração; não sentem remorso. Mas Raskólnikov sofreu. Sua consciência não o deixava em paz, teve febre e foi para o fundo do poço. A mensagem final do livro é: existe a possibilidade de um novo começo para indivíduos maus; as estruturas sociais, religiosas e econômicas, entretanto, se depravaram e nunca vão parar de assassinar.

Soli Deo Gloria

Conquistas no Espaço são os Novos Descobrimentos

A descoberta, esta semana, de 32 planetas fora do sistema solar é comparada pela comunidade científica, aos Descobrimentos portugueses. Ao DN, o astrobiólogo norte-americano Seth Shostak comparou o trabalho dos astrónomos ao que o infante D. Henrique fez em 1500. Objectivo agora é saber se existe vida nesses mais de 400 planetas "Está a ver quando o infante D. Henrique decidiu catalogar o mundo depois de descobrir os continentes? É o que se vai passar agora com os exo-planetas descobertos". Esta comparação pode ser familiar para um português, mas foi Seth Shostak, astrobiólogo norte-americano, que a fez em declarações ao DN. Investigador do SETI Institute (que se dedica à procura de vida inteligente no espaço), relembrou a epopeia portuguesa para se referir à descoberta de mais de 400 planetas fora do sistema solar desde 1995. Mas em vez de se dar novos mundos ao Mundo, dá-se novos planetas ao Universo. A comparação que Seth faz parece partilhada na comunidade científica. "O Ser Humano tem uma necessidade de descobrir, de saber o que há para além do que conhecemos. Assim como os portugueses fizeram em 1500. O planetas estão lá, temos de saber como são", diz Pedro Russo, astrofísico português que coordena o Ano Internacional da Astronomia 2009 [...]
Ler versão integral do Texto AQUI no jornal Diário de Notícias

"Descobri a Graça Através de Minha Filha Especial"

Este Blogue, o Ab-Integro, também se faz com textos assim, simples, que pretendem apenas dar conta da Graça e da Glória de Deus, e da sua compaixão por todos aqueles que se aproximam dEle, sem reservas mentais nem condições prévias à compreensão se Ele "pode" ou "não pode", se´"é" ou "não é". Saber que Ele pode, por saber quem Ele é, basta-nos. Esperar nEle, sem qualquer espécie de mescla de mercantilismo , traz-nos de forma límpida a Grandeza da sua Paixão e do seu Amor por nós.
Hoje senti-me tocado por Deus ao ler este testemunho. Em particular porque aqui, em Portugal, foi uma semana incaracterística a vários níveis, a que passou: Falou-se muito de Deus e de Bíblia. Mais conceptualmente do que no plano prático, da realidade palpável da nossa comunhão íntima, diária, experimental, verificável, tangível ao nível da nossa alma e do nosso ser . É por isso que espero que todos os Saramagos deste país, e também todos os anti-Saramagos, possam ler e sentirem-se tocados, como eu me senti, hoje, pelo meu Deus, o meu Senhor, o Deus do Amor, o mesmo amor que revejo na história do filho pródigo e neste episódio da história desta jovem e dos seus pais. Poderia ser a história de qualquer um de nós e de todos os que olham para Deus como Autor e Consumador da Fé e não apenas como uma personagem bíblica. É por isso que o melhor tradutor para as páginas bíblicas continua a ser o do quadro da vida real e o testemunho prático de quem tem Jesus no coração e o experimenta todos os dias, em todas as situações.
.
Jacinto Lourenço
*
Hoje, dia 24 de Outubro, nossa filha Rayane completa seus 19 aninhos. Quem diria que eu seria pai de uma moça (eterna menina) de 19 anos?Ela foi o instrumento de Deus através do qual, há catorze anos, eu pude conhecer a Sua surpreendente graça.Aos vinte e cinco anos, meu ministério sofreu uma reviravolta. Deus presenteara a mim e a minha esposa Tânia com uma filha especial. Aos cinco anos, Rayane jamais andara ou falara. Depois de recorrer a vários especialistas, ouvimos de uma médica boliviana na ABBR do Jardim Botânico que nossa filha jamais andaria. Isso embaralhou minha cabeça. Como eu poderia continuar pregando o Evangelho, se minha própria filha era impossibilitada de andar? Como as pessoas dariam crédito à minha pregação? Numa manhã de sábado acordei com um forte desejo de orar. Pedi à minha esposa que não queria ser interrompido. Tranquei-me no quarto comecei a me desabafar com Deus.Minhas palavras foram mais ou menos assim: - Senhor, não é justo que minha filha continue assim. Lembra de tudo o que tenho feito pela Tua obra. Lembra que tenho gasto toda minha juventude pra Ti. Lembra dos meus sacrifícios. Meu pai tem dedicado trinta anos de sua vida em Tua obra. Até quando, Senhor, minha filha será a vergonha do meu ministério? Era como se eu estivesse cobrando de Deus a sua cura, respaldado em meus méritos pessoais.De repente, senti que algo estava acontecendo. Calei-me, e aguardei. Uma voz doce e suave dirigiu-se ao meu coração: - Desde quando suas boas obras lhe dão o direito de me cobrar alguma coisa? Eu não lhe devo nada. E o que eu faço na vida do homem, não é por seus méritos, mas pela minha Graça.O conceito de graça desafiava meu entendimento e contrariava boa parte daquilo que havia aprendido acerca das coisas de Deus. Mesmo relutante, abri minha Bíblia, e comecei a ler a carta de Paulo aos Romanos. A sensação que eu tinha era de que vendas haviam sido retiradas dos meus olhos. Estava tudo ali. E eu, nascido e criado na igreja, pastor há oito anos, ainda não havia percebido. Foi, de fato, uma revelação. Escamas caíram dos meus olhos. Uma indizível alegria tomou de assalto o meu coração.Eu e Tânia resolvemos marcar um culto de ação de graças pela vida de Rayane. Pela primeira vez, expus publicamente o problema de nossa filha. Até aquele dia, eu sempre orientava minha esposa a manter nossa filha fora dos olhares curiosos dos irmãos da igreja. Elas costumavam se sentar no último banco, e antes que o culto terminasse, Tânia a levava para meu gabinete.Dias depois, num culto de Domingo a noite, no momento do ofertório, minha esposa tirou da bolsa uma oferta. De repente, Rayane tomou o dinheiro de sua mão, levantou-se, e foi caminhando até a frente do púlpito. Todos ficaram pasmados, inclusive eu. Alguns, emocionados, começaram a chorar. E eu, com a voz embargada, não sabia como reagir àquilo que Deus fazia diante dos meus olhos. Minha filha, finalmente, caminhava pela primeira vez, sem jamais sequer ter engatinhado!O que aprendi com RayaneAprendi a vencer pelo silêncio, a não me preocupar em provar nada pra ninguém.Rayane me mostrou que é da fraqueza que Deus tira a fortaleza. Que a vergonha de hoje, é a glória de amanhã. Sem qualquer palavra, Rayane nos tem transmitido o mais belo sermão de amor e graça.Obrigado, filha. Obrigado, Senhor, por nos ter confiado uma vida tão preciosa.Quando o mundo me decepcionar, olharei para seus olhos puros e meigos, e recobrarei meu ânimo e esperança de um mundo melhor.Te amo tanto, Ray! Feliz Aniversário!